Arquivo da tag: festa de casamento

erika + serginho

*disclaimer* Este post tem alta probabilidade de ser o mais pessoal e emocional (e  por isso mesmo talvez cafona) jamais escrito por esta fotógrafa. Leia por sua conta e risco.

Mais de uma vez eu já escrevi e disse por aí que poucas coisas me fazem tão feliz quanto viajar. É verdade, ir para lugares desconhecidos me dá um prazer intenso, mas existe outra coisa que me deixa tão ou mais loucamente feliz: dançar até não aguentar mais ao lado dos mais queridos e amados amigos. Há 11 anos eu vim morar em São Paulo e me apaixonei por esta cidade e todas as possibilidades de alegrias noturnas embaladas pelos melhores djs do mundo e encontrei pessoas que me fizeram companhia em alguns momentos que posso chamar de os melhores da vida (you all now who you are, guys!). Serginho é parte dessa história e é seguro dizer que uma maneira de resumir um pedaço da minha vida nesse tempo todo é “há 11 anos eu me divirto vendo o japonês dançando”.

Um dia, seis anos lá atrás, este querido amigo chamou-nos todos para tomar umas champas no finado ampgalaxy e anunciou “vou me casar”. Foi um tanto surpeeendente, ninguém estava esperando por isso, mas como disse outra amiga querida, “quando acontece você sabe, it’s magic”. Eu lembro de ter soprado no ouvido dele aquela noite “eu vou fotografar”. Bem, casar ele casou, há seis anos eles estão juntos (e no foi no quintal deles que rolou o bailinho pós meu casório), mas o wedding só foi acontecer mesmo no sábado passado. E eu fotografei.

Então agora posso acrescentar à minha lista de coisas que me fazem muito feliz o ato de fotografar as pessoas que amamos. Não só fotografar quem amamos, mas fazê-lo no dia em que elas estão mais felizes do que nunca. Uma festa que não só celebrou esse encontro desses dois (que não poderiam ser mais perfeitos um para o outro) mas também a alegria que é estar entre amigos queridos, aqueles que são a nossa família escolhida.

Erika e Serginho, vocês são muito especiais e não havia mesmo possibilidade que o casamento de vocês fosse só um almoço para poucas pessoas. It had to happen on the dancefloor!


Eu não poderia ter feito as fotos sozinhas. Por mais que seja maravilhoso fotografar o casamentos de nossos queridos, tem uma hora que a gente quer participar comme il faut; eu precisava ir dançar (sem falar que eu estava tomando prosecco há um tempão e chegou um momento em que a câmera começou a ficar pesada…). Mil obrigados ao Gui por ter fotografado a balada e ter feito imagens históricas!

• Erika foi maquiada pelo incrível Wilson Eliodorio, que também resolveu cuidar de colocar uma florzinha na lapela do noivo (gente, não é um brócoli!). O vestido é Juliana Jabour. O almoço de comemoração com família e amigos foi no Studio 768 e a balada na casa de um amigo. Eu contei 15 horas de festa, mas não fui a última a ir embora…

tatiana e luis

A Tati foi um caso de perfect timing. Se ela tivesse demorado mais uma semana para me ligar eu não poderia ter participado desse dia tão emocionante. Estávamos planejando nossa ida à França, só esperando confirmar a data da abertura do festival para comprar as passagens quando ela me ligou. Tinha descoberto nosso trabalho pelo blog da Constance e acompanhava minhas histórias aqui. Dava para sentir a animação contagiante dela pelo telefone. Quando nos encontramos, a boa impressão só se acentuou, tive certeza que a Tati é dessas noivas que fazem a gente se sentir privilegiado só por estar perto dela. O  único problema? O casamento seria no dia 03 de julho e o festival começava no dia 02. Problema? Problema coisa nenhuma, comprei a passagem para o dia seguinte! Eu tinha certeza que esse seria um casamento especial, pas de problème de perder 2 dias de festival! Fiquei muito feliz hoje quando eu estava mostrando as fotos para minha assistente e ela disse “ela é uma menina meiga”. Sim, meiga e cativante, querida, como dizem os gaúchos. Que a Ju tenha visto isso nas nossas imagens é sinal de que trabalhamos direitinho!

• a Tati optou por se arrumar em casa, nada como passar a tarde perto das irmãs, da mãe e da cunhada, ouvindo um sonzinho delícia, bebericando uma champa, comendo pãezinhos de queijo… Quem cuidou da maquiagem e cabelo foi o Dempsey, que cuida da família há anos, é um doce e arrasa. Tive o prazer de trabalhar nesse dia lado a lado com  a Paty Vilela.

daniela + leandro

Muitos noivos planejam tudo com muita antecedência mas sempre aparecem aqueles que nos surpreendem alguns poucos meses antes do casamento e a gente acaba perdendo aquela folguinha (e de muito boa vontade). Uma noiva muito estilosa, que me jurou que não era baladeira, mas que se jogou na pista de dança curtindo o som do Sambasonics – e fez a alegria do meu dia se arrumando numa suíte bem espaçosa do também estiloso e chiquérrimo Fasano… A festa e a cerimônia foram no Contemporâneo (agradecemos a consideração de tudo acontecer no mesmo local em uma sexta-feira, rsrs) com uma iluminação perfeita e um jantar do Capim Santo simplesmente indescritível – tudo perfeitamente organizado pelas meninas da Coordinare. Ah, claro, trabalhar com a Paty Vilela é sempre diversão garantida!

alessandra + hans peter

*suspiro*

Não encontrei a onomatopéia correta para começar este post. Como expressar um suspiro daqueles que soltamos quando vemos um sonho virar realidade? Sério, este casamento foi daqueles saídos de contos de fadas! Uma noiva delicada e graciosa, um noivo bonitão e um cenário naturalmente belo e perfeitamente decorado (mais uma vez a Fazenda Vila Rica, desta vez com Rubens Decorações). O dia estava lindo, uma luz “alegria de fotógrafo” incrível. Quando vi o vestido da noiva pendurado na entrada do quarto sabia que ia me dar bem, que coisa mais linda, meu primeiro Vera Wang! Alessandra estava bastante ansiosa, mas não tão nervosa a ponto de não conseguir curtir o dia. Ainda bem, seria um desperdício perder a chance de fotografá-la naquela luz tão bonita. A cerimônia foi toda em português e alemão (o noivo é austríaco), entre as palmeiras imperiais, começou ainda de dia e terminou à noite (acho que as madrinhas e seus saltos altos a acharam um pouco longa…). Para mim o ponto alto do casamento foi os noivos dançando a valsa Danúbio Azul comme il faut, lindo demais! E assim foi a festa, um pouco de Aústria – na valsa, na loirice dos convidados, no alemão falado, nos chocolatinhos Mozart ao lado do café (perdição!) – e um tanto de Brasil – na exuberância do paisagismo da Fazenda, nas flores da decoração, na comida da Neka, nos bem-casados, na bateria da Rosas de Ouro, na animação da pista de dança… Uma festa à altura do encontro desse casal lá num canto distante do mundo há sete anos!

marina + arthur

A semana anterior a esse casamento foi de muita ansiedade. Só chovia, chovia, chovia. E que injustiça seria se chovesse em um lugar tão lindo! Nada contra a chuva, mas quando se casa a céu aberto, tudo o que se espera é que não seja preciso mudar nada de lugar no último momento. E seria realmente uma pena se perdéssemos o visual da cerimônia entre as palmeiras imperiais. Quando acordei no sábado, o dia estava muito feio em São Paulo. Não chovia, mas fazia frio e o céu estava escuro. A previsão do tempo prometia que aqui estaria chuvoso mas que no interior as nuvens apenas enfeitariam o céu. Pegamos a estrada e foi com alívio que sentimos o sol nos aquecer dentro do carro antes mesmo de chegarmos a Jundiaí. Na Fazenda Vila Rica, o sol brilhava e todos estavam animadíssimos. A cerimônia foi no horário, fato importantíssimo se você quiser que suas fotos sejam iluminadas pela luz do fim de um dia surpreendentemente bonito. Acho que foi o dia mais longo de nossa história como fotógrafos de casamento; saímos de casa às 13h e chegamos de volta às 6h do dia seguinte! É que a festa teve “dois turnos”: o DJ contratado cuidou do som até às 2h30, depois quem assumiu as pick ups foram os amigos do casal, que mandaram muito bem no tecno (tocaram algumas de minhas músicas favoritas) e – ouvi dizer – mantiveram o povo dançando até às 7h!

marcele + christiano

“Se eu não casasse cheia de brilho, não ficaria feliz!”. O vestido e a festa da Marcele foram assim, tão luminosos como ela, uma noiva doce, delicada e gentil com todos ao seu redor. Eu fui sua única companhia durante os preparativos e me senti tão acolhida quanto os muitos convidados que vieram do RS, terra natal da noiva. Marcele certamente encontrou seu par perfeito, pois Christiano é um dos noivos mais gente boa que já conheci, tão bacana que, na hora de agradecer a presença dos convidados, também agradeceu quem trabalhou na produção da festa, quem estava trabalhando naquele momento e quem iria trabalhar na desmontagem do evento! Os dois tem aquela sintonia dos casais que se completam; ela é festeira e adora foto; ele não curte muito ser fotografado, mas fez de tudo para agradá-la e a todos os amigos que vieram de longe. A cerimônia foi linda, daquelas que fazem todo mundo chorar (inclusive eu!), com os noivos cantando baixinho um para o outro Como é grande o meu amor por você na hora da benção das alianças (e sendo acompanhados pelos convidados!). Lindo!

Para que tudo desse certo, contaram com a ajuda da Flavia Queiroz da Save the Date. Foi a primeira vez que trabalhamos juntas e foi tudo mais do que perfeito. O Contemporâneo estava lindamente decorado, a festa foi animada e a gente podia sentir o quão satisfeitos os noivos estavam. Além de tudo, é bom demais trabalhar ao lado de gente que está sempre sorrindo!

• a noiva se arrumou no Ash, o vestido é Solaine Piccoli.

ingrid + tony

Não é lindo o Convento da Penha em Vila Velha? Pois essa era uma das vistas possíveis do nosso hotel na beira da praia. Ingrid e Tony não se casaram lá, mas o convento foi uma das nossas locações para o ensaio que fizemos no dia seguinte ao casamento. Tudo foi muito gostoso nessa viagem, o lugar, o céu azul, o mar gelado e uma cerimônia de casamento que foi sincera e delicada. A festa foi para muitos convidados, mas Ingrid – ansiosa e apreensiva como a maioria das noivas – repetia para si mesma que a única coisa realmente importante era realizar o sonho de dizer sim para seu amado. Como sempre acontece, tudo deu certo, a festa foi animada, a decoração estava linda e todos se divertiram muito. Foi a minha primeira vez em Vitória, então achei muito curioso que festa lá tem hora para acabar. É isso mesmo, deu 3h o Dj ataca de New York New York e ao final da música as luzes se acendem. Ninguém liga muito, não, é assim mesmo, fica todo mundo conversando, se despedindo dos noivos. Claro que sempre sobram uns mais etilicamente animados na pista, cantando sem parar na esperança de mais um pouquinho de balada.

No domingo o dia estava lindo! Céu azul sem nuvens, calorão com brisa. Andamos um bocado lá no Convento, haja fôlego, mas o lugar é lindo e tem uma vista sensacional. E fotografar gente apaixonada é bom demais, só bom humor, sorrisos e carinhos. Terminamos na beira da praia, uma luz suave de fim de tarde. O engraçado é que fomos direto da praia para o aeroporto, então eu trouxe para São Paulo um pouquinho da areia de Vila Velha…

• o vestido da noiva é Emannuelle Junqueira, cuidadosamente levado pela noiva na bagagem de mão do avião 😉